DC
Last Kiss
So I'll watch your life in pictures like I used to watch you sleep and I feel you forget me like I used to feel you breathe. All that I know is I don't know how to be something you miss.
home ⌧ encante-me ⌧ encante-se ⌧ photos ⌧ Blog ⌧

_Existe uma palavra em alemão: “Lebenslangerschicksalsschatz.” E a mais próxima tradução seria 'O tesouro do destino ao longo da vida.' E Victoria é ’wunderbar’, mas ela não é minha Lebenslangerschicksalsschatz. Ela é minha Beinaheleidenschaftsgegenstand, sabe? Isso significa ‘Aquilo que é quase aquilo que você quer…mas não completamente.’ E é isso que Victoria é pra mim.
_Mas como sabe que ela não é Lebenslangerschicksalsschatz? Talvez com o passar dos anos ela se torne mais Lebenslangerschicksalsschatz.
_Não, não, não. Lebenslangerschicksalsschatz não é algo que se desenvolve ao longo do tempo, é algo que acontece instantaneamente. Atravessa você como água de um rio depois da tempestade, preenchendo e esvaziando você ao mesmo tempo. Você sente isso em todo o seu corpo. Nas suas mãos. No seu coração. No seu estômago. Na sua pele. Já se sentiu assim com alguém?
_Acho que sim.
_Se tem que pensar a respeito é porque não sentiu.
_E tem absoluta certeza que encontrará isso um dia?
_É claro. Eventualmente todo mundo encontrará. Só que nunca saberá onde ou quando.
How I Met Your Mother.
É foda, essa menina é um problema. Mas é o meu problema. Porque querendo ou não, é a minha menina. A minha garota certa, a minha menina problema. Sabe qual é? Eu me amarro nela, cara.
 robin and stubb.  
Espero que nunca esqueça de mim, faça novas amizades, mas nunca esqueça de mim. Você foi eternizada em mim, uma das pessoas mais especiais da minha vida, prometo nunca te esquecer, mesmo longe você sempre vai está aqui, sempre. Desculpe por alguma coisa que te fiz, eu sou toda errada, você sabe que é sem querer. Eu toda errada, com mínimas qualidades e você escolheu ficar ao meu lado, esse é mais um dos motivos que eu nunca vou te esquecer. Obrigada por ser minha amiga, por me fazer tão bem. Apenas me ame. Porque é disso que se tem que lembrar nos dias ruins. Pela milésima vez, eu te amo, aqui, aí, e em todos os lugares.
Helena Lino
O que dizer de uma frase assim: a poesia existe para satisfazer a necessidade de poesia dos poetas? Escândalo, loucura e anátema! Quando, em minhas palestras, chego nesse ponto, instala-se o tumulto, que deixo desenvolver-se um pouco para valorizar a frase que vem a seguir. – Um momento. Poeta não é só quem faz poesia. É também quem tem sensibilidade para entender e curtir poesia. Mesmo que nunca tenha arriscado um verso. Quem não tem senso de humor, nunca vai entender a piada. E concluo: – Tem que ter tanta poesia no receptor quanto no emissor. Nesse auge, a multidão prorrompe em aplausos e me carrega em triunfo até o bar mais próximo, onde beberemos à saúde de todos os poetas-produtores e todos os poetas receptores do mundo. Saúde a vocês que fazem, saúde a vocês que curtem, pólos magnéticos por onde passa a faísca da poesia.
Paulo Leminski.  
Insista em mim, meu bem. Na minha loucura, nas minhas canções desafinadas, nos meus atrasos, nas minhas exigências, nas minha noites mal dormidas e manhãs de mau humor, nos meus almoços queimados, nos meus mistérios, no que não digo e nas minhas dúvidas fora de hora. Insista em mim, não desista de mim.
Camila Costa. 
Eu gostaria mesmo é de ser a peça que falta no quebra-cabeça de alguém. Aquela que daria sentindo e colocaria um fim depois de tanto tentar encontrar a certa em meio as erradas.
Gramaticas.
Não se perca de mim quando os dias correrem depressa e eu não souber gritar teu nome. Porque você sabe que eu não consigo pedir pra que alguém fique… Não se perca de mim quando todos forem embora e só restar nós dois e mesmo assim for impossível que teus olhos encontrem os meus. Você sabe, eu não sei falar de amar sem chorar um pouco… Não se perca de mim assim como as canções do Cícero se perdem na minha memória e só voltam quando vejo vaga-lumes. Não, não vai indo assim, como quem não quer nada… fica e se não puder ficar, deixe. Deixe uma lembrança, um poema na geladeira ou um abraço para eu amar.
Floresinexatas 
Um dia você deixou escapar que sentia vergonha por nunca ter lido um clássico. Eu fiquei vermelho, confesso!, mas admiti que não dava tanta importância aos livros importantes. Achávamos chato qualquer livro com mais de 256 páginas e 12 personagens, lembra? Guerra e Paz ainda espera nossos olhos. Se depender da nossa vontade, Moscou morrerá de frio. E, com todo respeito, que se foda Napoleão. Dom Quixote ainda tenta chamar a nossa atenção com aqueles moinhos gigantes. Sancho tem um nome fofo. Meu cachorro teria esse nome. Se fosse um bulldog, claro!. E, pra mim, Cervantes será sempre um restaurante em Copacabana não um livro de bacana! E você ri. E eu também! E a gente se beija. Ah, e eu não me esqueço daquele silêncio homérico quando confessei que não li Ilíada e não entendi porra nenhuma da Odisseia. Prefiro mil vezes o Stanley mandando gregos e troianos fantasiados de macaco pro espaço. Desculpa os palavrões. Se eu me envergonho? Um pouco, confesso. Mas eu li o poema que você escreveu pra mim quando nem sonhávamos em sonhar em estar juntos um dia – se é que já estivemos juntos um dia. E aqueles versos bobos talvez sejam a coisa mais linda que li até hoje. Neruda que me perdoe. Quintana que me desculpe. Drummond que não me julgue. Aquele seu poema é o único clássico que tem espaço cativo e afetivo na minha estante: entre a Liberdade, de Franzen, e o Eu Hei-de Amar uma Pedra, de Lobo Antunes. E é lido todos os dias desde o dia que não nos vimos mais. Quando leio: “Amado, Antônio, o mundo é tão estúpido que as pessoas precisam amar.” Eu tremo. Quando releio “Antônio, amado, o mundo é tão estúpido que eu não posso te amar“. Eu choro. E essa fala ainda reverbera nitidamente feito berro silencioso nos meus tímpanos de menino. Eu ouço a sua voz declamar cada verso, como se fosse rasgar minha memória. E rasga. Um dia você deixou escapar que sentia vergonha por nunca ter lido um clássico. Eu tenho vergonha dos que nunca leram um poema seu.
Eu me chamo Antônio.
Agora não dá mesmo para ser feliz. É impossível. Mas quem disse que a gente deve ser feliz sempre? Isso é bobagem. Como cantou Vinícius: “É melhor viver do que ser feliz”. Porque para viver de verdade a gente tem que quebrar a cara. Tem que tentar e não conseguir. Achar que vai dar e ver que não deu. Querer muito e não alcançar. Ter e perder. Tem que ter coragem de olhar no fundo dos olhos de alguém que a gente ama e dizer uma coisa terrível, mas que tem que ser dita. Tem que ter coragem de olhar no fundo dos olhos de alguém que a gente ama e ouvir uma coisa terrível, que tem que ser ouvida. A vida é incontornável. A gente perde, leva porrada, é passado para trás, cai. Dói, eu sei como dói. Mas passa. Está vendo a felicidade ali na frente? Não, você não está vendo, porque tem uma montanha de dor na frente. Continue andando. Você vai subir, vai sentir frio lá em cima, cansaço. Vai querer desistir, mas não vai desistir, porque você é forte e porque depois do topo a montanha começa a diminuir e o único jeito de deixá-la para trás é continuar andando. Você vai ser feliz. Está vendo essa dor que agora samba no seu peito de salto agulha? Você ainda vai olhá-la no fundo dos olhos e rir da cara dela. Juro que estou falando a verdade. Eu não minto. Vai passar.
Caio Fernando de Abreu 
Se você perguntar o que me fez gostar de você, eu não vou saber responder. Posso até arriscar alguma coisa, elogiando o teu sorriso ou dizendo o quanto eu gosto desse teu jeito implicante e que me dá razão para tudo. Mas ainda seria pouco. É pouco. Eu posso continuar arriscando, dizendo que foram as tuas mensagens no meio da madrugada, falando que você perdeu o sono e que passou a noite pensando em mim. Em nós. Ou que foram as demonstrações de carinho e cuidado que você me deu, mesmo quando eu fui egoísta e mandei você embora. Posso, também, dizer que foram as noites que passamos conversando, coisas importantes e outras nem tanto, e que de tanto ficarmos juntos, peguei as tuas manias todas para mim. Posso dizer que foram as vezes que você me chamou para ficar ao teu lado, pra me dar um chamego ou um abraço quando eu me sentisse um pouco insegura em relação a qualquer coisa – ou pessoa – que ameaçasse roubar você de mim. Ou que foram os teus elogios e a tua maneira de me encher de mimo, mesmo quando eu teimo dizendo que não quero ou não preciso. Posso dizer, ainda, que foram a tua atenção e paciência, quando tudo que eu fiz foi te pedir pra me deixar em paz, quando rejeitei a tua companhia. Que foram todas as vezes que você me enxergou melhor do que eu realmente sou, e me fez querer ser melhor do que eu poderia ser. Que foram todas as vezes que você insistiu em mim e não desistiu de me mostrar que somos melhores juntos, um ao lado do outro, tendo um ao outro e sendo um do outro. Posso arriscar um pouco mais e dizer que foi quando você me surpreendeu com um “eu te amo tanto” ao invés de um “gosto tanto de você”. E juntando tudo isso, eu tenho você. Inteiro. Completo. Você. Que uma vez chegou a me dizer que estaria longe de ser quem eu esperava ou queria comigo. Você. Que não fazia parte dos meus planos, e por quem eu não poderia me apaixonar. Você. Que conquistou cada pedacinho de mim. E que ganhou meu coração. Você. Que tem o meu amor. E me tem, amor.
Plenitude 
Eu fecho os olhos e conto mentalmente até três. Sussurro pra mim mesma que vai passar. Uma hora passa, sempre passa, tem que passar. O problema é que o tempo de duração cresce a cada vez que isso resolve acontecer. Aperto a minha mão contra o peito e tento fazer parar. É em vão. A dor é por dentro, o que torna tudo mais complicado. Não há remédio com 100% de eficácia pra casos assim. A emergência do hospital não me socorreria. Os bombeiros, os policiais, os médicos de plantão, os psicólogos e os analistas também não. Ninguém tem total poder sobre isso. Eu quero, tento, luto e persisto pra fazer com que a dor suma. Mas ela aumenta. Se alastra pelo resto do corpo, da mente, dos órgãos. A dor não possui amigos e, talvez, por isso, ela não perdoe ninguém. Eu cruzo os dedos e torço pra que a tortura acabe de uma vez por todas. Saudade, medo, incompreensão: por favor, vão embora. Por obséquio, não decorem o caminho de volta. Tirem o meu nome da lista que vocês criaram pra atormentar. Já chega, é demais pra mim. Tudo bem, talvez isso seja um teste da vida mostrando o quanto eu posso e consigo ser forte. Mas eu cansei de andar carregando o mundo nas costas sem ter como curvá-la. O cheiro de menina frágil que precisa de colo ainda marca a minha pele. A minha alma continua sendo levada como uma criança teimosa. Eu não tenho estrutura pra sofrer.
Capitule   
Só porque você está sofrendo não quer dizer que Deus te esqueceu, que vai dá tudo errado, que ninguém te ama e que está só. Aquele que criou o mundo está ao seu lado e nunca te deixou. Creia somente. Confie, persevere, siga em frente, não desista… Entenda que enquanto Deus está em silêncio ele também trabalha. Os dias são ruins, eu sei, você sabe e Deus também, e é por isso que ele não te deixa só.
Amanda Rose  
Eu não sou do tipo de pessoa que acredita quando o vento começa soprar ao meu favor. Muito pelo contrário, eu desconfio.
As reflexões de Lindsay.
Eu conheço um planeta onde há um sujeito vermelho, quase roxo. Nunca cheirou uma flor. Nunca olhou uma estrela. Nunca amou ninguém. Nunca fez outra coisa senão somas. E o dia todo repete como tu: ‘Eu sou um homem sério! Eu sou um homem sério!’ e isso o faz inchar-se de orgulho. Mas ele não é um homem; é um cogumelo!
O Pequeno Príncipe. 
Pra ela eu contava qualquer tipo de coisa com o coração todo aberto, porque eu sentia de forma muito clara a facilidade e o acolhimento com que me ouvia. Um bom confidente, às vezes, é apenas aquele que nos deixa livres para dizermos tudo o que quisermos sobre nós, inclusive bobagens das quais talvez nos arrependamos logo depois de dizê-las. Às vezes, é apenas aquele que interage com o nosso sentimento da vez, sem estar com a razão toda arrumada para análises profundas, tiradas magníficas, sermões eloquentes, dos quais nem sempre precisamos. Um bom confidente, essa maravilha rara, é aquele que aproxima, generosamente, a vida dele da vida da gente e, apesar da mágica interação que acontece com essa proximidade, consegue manter a distância necessária para não confundir a sua história com a nossa. Há momentos em que a gente só precisa falar e se sentir, de verdade, ouvido. Só isso. Só isso tudo.
Ana Jácomo.